Sindusfarma

2018-01-15

Sete farmacêuticas entre as empresas mais amadas pelos funcionários no Brasil

Veículo: Exame
 
O portal Love Mondays publicou o ranking de satisfação profissional, com base nas avaliações espontâneas e anônimas dos usuários da plataforma sobre seus empregadores.
 
Sete indústrias farmacêuticas estão entre as 50 melhores: Takeda (2ª), Bayer (17ª), Johnson&Johnson (20ª), Roche (26ª), Glaxo (33ª), Eurofarma (45ª) e Aché (47ª).
 
 
 
As 50 empresas mais amadas pelos funcionários no Brasil
Jornalista: Camila Pati
15/01/2018 - A consultoria de tecnologia e inovação ThoughtWorks levou a melhor na avaliação de funcionários e ex-funcionários e é a campeã do ranking das 50 grandes empresas mais amadas pelos seus funcionários no Brasil, feito pela equipe do Love Mondays.

Publicado com exclusividade pelo Site Exame, o ranking de satisfação profissional é o único que leva em consideração avaliações espontâneas e anônimas de usuários da plataforma sobre seus empregadores.

E são muitas. No mês de dezembro, o site recebeu 2,3 milhões de acessos. Na plataforma, além de informações sobre salário e avaliações, é calculado o índice de satisfação geral, que vai até 5, com base em notas também até 5 para os itens: remuneração e benefícios, oportunidade de carreira, cultura da empresa e qualidade de vida.

Com 63 avaliações em 12 meses, a ThoughtWorks ficou com 4,65 de índice de satisfação geral. A segunda colocada, Takeda Farmacêutica, teve índice de 4,51.

A lista tem como base as opiniões publicadas pelos usuários da plataforma sobre empregadores que tenham recebido ao menos 50 avaliações em 12 meses. Já são 115 mil empresas e para essa edição foram consideradas 107 mil avaliações.

“É o único em que as empresas não se inscrevem. Nos outros rankings que existem no mercado, as empresas solicitam a participação”, diz Luciana Caletti, CEO do Love Mondays.

Entre as 50 grandes que receberam as maiores notas gerais de satisfação, os setores de tecnologia e o de saúde/farmacêutico se sobressaem.

A satisfação não é novidade em algumas empresas nesses setores. A área de tecnologia, diz Luciana, tem uma parcela de companhias que abraçou há tempos a cultura Google – empresa que apesar de ter nota 4,68 de satisfação geral ficou de fora porque teve apenas 22 avaliações em 12 meses – e o setor de saúde/farmacêutico é conhecido pelos altos salários e benefícios.