Destaques da Imprensa

Compartilhe:
02/07/2020
Genomma investe em autoteste de HIV

Veículo: Valor Econômico

Jornalista: Alexandre Mel

A Genomma Lab viu na pandemia oportunidade para ampliar o portfólio e investir em nova categoria. Desde março, vende em farmácias um autoteste de HIV que detecta a presença do vírus por meio do fluido oral em 20 minutos. O Brasil é o primeiro dos 18 países onde a mexicana atua a receber o produto. A meta é elevar no mínimo em cinco vezes os 48 mil testes do tipo feitos por ano.

Cerca de 10 mil farmácias têm entre quatro e seis unidades do exame fabricado pela americana OraSure Technologies expostas de forma discreta na prateleira, ao lado dos preservativos. Esse segmento ainda é pequeno no país e movimentou somente R$ 3,7 milhões no ano passado, conforme dados da consultoria IQVIA.

“É a primeira vez que trabalhamos com um produto de autoteste. É uma aposta importante, mas o foco continuará sendo OTC [medicamentos sem prescrição] e cuidados pessoais”, afirmou Gustavo Abreu, diretor-geral da Genomma Lab no Brasil, detentora do creme para remover sinais e rugas Cicatricure e dos sabonetes Asepxia.

O Ministério da Saúde estima que 135 mil pessoas vivem com o HIV e não sabem, segundo levantamento divulgado em novembro de 2019. “O número de casos cresce 700% por ano, especialmente entre a população com idade entre 18 e 25 anos, e acima há 49 minutos Empresas de 45 anos. São 40 mil novos casos”, disse Cinthia Ribeiro, diretora de marketing OTC da Genomma Lab.

Existe um tabu para realização dos testes para identificar a infecção. De acordo com Ribeiro, a privacidade de pegar o produto na prateleira da farmácia, pagar no caixa e realizar o exame em casa pode auxiliar no diagnóstico da doença no estágio inicial. O produto é vendido nas lojas e no comércio eletrônico por R$ 79,90.

“O OraQuick é aprovado pela FDA [agência americana de alimentos e medicamentos] e recebeu o aval Anvisa em 2018. É usado, inclusive, na África pela fundação Bill & Melinda Gates”, disse a diretora de marketing. Se vender uma unidade em cada farmácia, a Genomma terá o equivalente a 21% do total registrado em 2019.

De acordo com o presidente da Genomma, a pandemia de covid-19 afetou os negócios apenas na semana de fechamento do varejo físico. Nas últimas sete semanas, as vendas no Brasil crescem acima de 10%, especialmente no comércio eletrônico.

“Mantivemos a aposta nos filmes para TV e aceleramos a agenda de lançamentos”, afirmou Abreu.

No primeiro trimestre de 2020, a receita líquida da Genomma Lab no mundo cresceu 6,3%, para 3,33 bilhões de pesos mexicanos, e o lucro líquido somou 373,6 milhões de pesos mexicanos, alta de 48,1% na comparação anual. Em 2019, a receita subiu 8,2%, a 12,75 bilhões de pesos mexicanos, e o lucro foi de 986,2 milhões de pesos, queda de 11,1%.

A subsidiária brasileira vai ampliar no segundo semestre os produtos da marca Next.
Serão lançados uma vitamina C com zinco e, em setembro, deverá chegar aos pontos de venda um sabonete antibacteriano. Além disso, foi antecipado de 2022 para o quarto trimestre um antigripal com paracetamol na concentração de 750 mg.

“Nosso plano de negócios não foi afetado negativamente devido à pandemia, pelo contrário, está dando resultados surpreendentes. Não descartamos aquisições ou joint ventures e os investimentos no Brasil terão crescimento de duplo dígito, assim como a receita”, disse o presidente.

Voltar
Subir ao Topo

Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos

Todos os direitos reservados - Sindusfarma 2020