Empresas em Foco

Compartilhe:
24/06/2020
Covid-19: Os desafios para os pacientes com epilepsia

Fonte: Prati-Donaduzzi

A crise sanitária devido à Covid-19 causou diversas mudanças na rotina das pessoas. Para pacientes que convivem com a epilepsia, além da adoção de novos hábitos, este é um momento de muitas dúvidas. 

A Prati-Donaduzzi, convidou a neuropediatra Dra. Kette Valente para esclarecer o tema

Como forma de auxiliar as pessoas neste período de pandemia e oportunizar conteúdo de qualidade, a indústria farmacêutica Prati-Donaduzzi, convidou a neuropediatra Dra. Kette Valente para esclarecer o tema. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) cerca de 50 milhões de pessoas têm epilepsia, o que a torna uma das doenças neurológicas mais comuns em todo o mundo. A preocupação dos pacientes neste momento é com a Covid-19, porém, a especialista destaca que somente a epilepsia não é um fator de risco. 

“A epilepsia não é um fator de risco, mas há exceções, como pacientes que têm alguma síndrome epilética em que existem outros comprometimentos como, por exemplo, o do sistema imune ou pacientes idosos, neste caso o fator de risco não é epilepsia em si, mas a presença de outro comprometimento que os deixam mais vulneráveis”, esclarece. 

Acesso ao tratamento 

A epidemia exige o isolamento social e muitas pessoas estão em casa, gerando questionamentos sobre a continuidade das medicações. A especialista enfatiza a importância de manter o tratamento com os antiepiléticos de forma correta. “Tudo o que não queremos é que o paciente com epilepsia descompense neste momento”, evidencia. 

A neuropediatra também explica que a posologia dos medicamentos não deve ser alterada neste momento. “As prescrições devem ser repetidas, ou seja, você deve continuar tomando as medicações como sempre tomou. Esse talvez seja o pior momento para se mudar medicação. Exceto se houver uma piora importante das crises epiléticas”.

A Dra. Kette também alerta sobre os cuidados em procurar atendimento em hospitais neste momento, devido ao crescente número de casos de Covid-19. “Existem situações especiais para se procurar a emergência como, por exemplo, crises convulsivas que durem mais de 5 minutos, crises repetidas, crises que ocorrem dentro da água com lesão que o paciente se afoga, crises que o paciente não volte e fique confuso e crises que coloquem em risco a vida do paciente”, finaliza.

Neste momento, a informação é crucial para amenizar as dúvidas e aumentar a segurança de quem convive diariamente com pacientes com epilepsia. Seguir as orientações médicas é um importante passo para garantir melhor qualidade de vida, mesmo em épocas de incertezas como agora.

 

Esclarecimento

A área Empresas em Foco publica notícias elaboradas e enviadas pelas empresas filiadas ao Sindusfarma; seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade das empresas e não reflete anuência nem posições ou opiniões da entidade.

Voltar
Subir ao Topo

Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos

Todos os direitos reservados - Sindusfarma 2020