Empresas em Foco

Compartilhe:
08/11/2022
Artigo: Prematuridade e a gravidez não planejada

Autor: Ricardo Lourenço, presidente da Organon, Médico 

Novembro (Roxo) é o mês internacional de prevenção e sensibilização sobre a prematuridade. O objetivo principal da data é alertar a sociedade sobre o crescente número de partos prematuros, que são aqueles que acontecem antes de a mulher completar 37 semanas de gestação. De acordo com dados da organização não governamental (ONG) Prematuridade.com, no mundo todo, a prematuridade é a principal causa de mortalidade infantil antes dos 5 anos de idade. O Brasil figura em 10º lugar no ranking mundial, em números absolutos, de partos prematuros. 

Ricardo Lourenço, presidente da Organon

Diante deste cenário é iminente falar sobre a importância do pré-natal e os prejuízos que a falta deste acompanhamento médico ao longo da gravidez pode causar tanto para a saúde da gestante quanto para a do bebê. Quando os exames são feitos adequadamente podem ser evitadas doenças transmitidas de mãe para o filho, como sífilis, HIV, hepatites B e C. Além disso, o pré-natal pode detectar também outras doenças que, se não tratadas, podem ocasionar o parto prematuro, como a anemia, a diabetes gestacional, a hipertensão e a infecção urinária.
 
Quando falamos de mães adolescentes os riscos para a saúde podem ser ainda mais elevados. Segundo a Organização Mundial da Saúde, as grávidas de 10 a 19 anos enfrentam maiores riscos de eclampsia, endometrite puerperal e infecções sistêmicas do que mulheres de 20 a 24 anos. A entidade ainda revela que as complicações na gravidez e no parto são a principal causa de morte entre meninas de 15 a 19 anos em todo o mundo. 

Mas o que leva algumas mulheres a não procurar a assistência pré-natal? Os motivos não são conclusivos, mas eles passam pela falta de acesso a serviços de saúde, ausência de informação sobre sexualidade, e ainda, pela gravidez não intencional. Uma gestação não planejada pode resultar em consequências graves, tais como, depressão pós-parto e desnutrição do bebê. Na adolescência, outro fator que chama a atenção é a vergonha da gravidez, fazendo com que escondam a gestação por muito tempo, prejudicando o pré-natal. O impacto pode ser bastante negativo, pois negligenciar o pré-natal reflete diretamente no índice de mortalidade infantil.
 
O relatório “Vendo o Invisível”, que o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) lançou recentemente sobre a crise invisível de gravidez não intencional, traz uma análise com base nos dados de Pesquisas de Demografia e Saúde (DHS) em que diversos estudos fazem essa correlação da gravidez não planejada e o pré-natal. De acordo com o documento, a tendência entre as mulheres com gravidez não planejada é começar a receber cuidados pré-natais mais tarde e ter menos consultas pré-natais do que as mulheres com gravidez planejada1. 
 
Estudos em países ocidentais mostram que as mulheres solteiras que relataram que sua gravidez não foi intencional eram significativamente menos propensas a fazer uma consulta pré-natal durante as primeiras oito semanas de gravidez e eram duas vezes mais inclinadas a procurar atendimento pré-natal somente após o primeiro trimestre2. 
 
O mais indicado seria o pré-natal acontecer quando a mulher ainda está planejando engravidar. Desta forma, o ginecologista já poderia verificar se ela tem alguma doença prévia, prepará-la para as transformações que vai sofrer durante os nove meses, explicar sobre a sua rotina das consultas e ainda sobre as possibilidades de parto, municiando-a de todas as informações necessárias para uma gestação tranquila. 
 
Mas no Brasil, o conceito de planejamento reprodutivo ainda é pouco difundido e adotado, o que é lamentável. Ele oferece uma poderosa ferramenta para que mulheres de todas as classes sociais tenham autonomia sobre o próprio corpo e decidam se querem engravidar e quando. Porém, a prática do planejamento reprodutivo não depende só das mulheres. Trata-se da construção de uma cultura a partir da disseminação de informações, da oferta de orientações médicas, da ampliação do acesso a mais métodos contraceptivos e do apoio da família, do parceiro ou parceira e dos amigos. Certamente, seria um passo importante para melhorar as estatísticas de prematuridade no Brasil.
 
Referências 

  1. Fonte: Relatório UNFPA 2022 “Vendo o Invisível” https://brazil.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/swop2022-ptbr-web.pdf pag.99 (AmoAdjei e Tuoyire, 2016). 
  2. Fonte: Relatório UNFPA 2022 “Vendo o Invisível” https://brazil.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/swop2022-ptbr-web.pdf pag.102 (Vanden Broek et al., 2016; Heaman et al., 2012; Korenman et al., 2002; Kost et al., 1998).

Esclarecimento

A área Empresas em Foco publica notícias elaboradas e enviadas pelas empresas associadas ao Sindusfarma; seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade das empresas e não reflete anuência nem posições ou opiniões da entidade.

Voltar
Subir ao Topo

Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos

Todos os direitos reservados - Sindusfarma 2024