Notícias 

Compartilhe:
21/08/2020
Na Academia Nacional de Medicina, Sindusfarma analisa inovação na indústria farmacêutica

No simpósio Avaliação de Novas Tecnologias em Saúde, realizado pela Academia Nacional de Medicina no último dia 20, o presidente executivo do Sindusfarma, Nelson Mussolini, falou sobre o papel da indústria farmacêutica no desenvolvimento de tecnologias e medicamentos inovadores e sua incorporação nos sistemas de saúde. Entre outros especialistas, o encontro reuniu membros da Academia e representantes do Ministério da Saúde e do Conselho Federal de Medicina.

Mussolini fala na videoconferência que reuniu Ministério da Saúde e CFM

Em sua apresentação, Mussolini assinalou a importância de um marco regulatório que confira segurança técnica e jurídica para a realização de pesquisas clínicas no Brasil. “A pandemia do novo coronavírus mostrou que temos capacidade para aprovarmos rapidamente as pesquisas clínicas no Brasil”, disse. “Por isso, acredito que, adequando as normas e agilizando os prazos, o país atrairá investimentos em novas pesquisas no curto espaço de tempo”. 

Aproximação

O presidente executivo do Sindusfarma elogiou a iniciativa da ANM de fomentar o debate sobre novas tecnologias e aproximar médicos e laboratórios farmacêuticos. “A indústria farmacêutica evoluiu significativamente nos últimos anos, incluindo nos códigos de ética das empresas e do Sindusfarma a proibição de antigas práticas”, afirmou Mussolini. “E, ao mesmo tempo, reforçou a importância da base cientifica como ferramenta de convencimento da classe médica para a adoção de novos medicamentos e princípios ativos nos tratamentos de seus pacientes”.

Para o presidente da Academia Nacional de Medicina, Dr. Rubens Belfort Jr., o simpósio foi um grande sucesso. “Esse seminário mostrou os diversos aspectos dessa questão [o desenvolvimento de tecnologias em saúde], que, sem dúvida, envolve toda a sociedade brasileira”, disse Belfort. “Trata-se de uma atividade complexa, mas extremamente necessária, sendo que todos os países estudam a melhor maneira de abordá-la”, concluiu.

Voltar
Subir ao Topo

Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos

Todos os direitos reservados - Sindusfarma 2020