Notícias 

Compartilhe:
09/08/2022
Fórum discute em Brasília os desafios e as perspectivas na saúde

O Sindusfarma realizou o Fórum “Desafios e Perspectivas na Saúde”, nesta terça-feira (9), marcando a inauguração do novo escritório da entidade em Brasília. O debate foi mediado pela jornalista Lígia Formenti, analista e editora de Saúde do JOTA.

No debate, a mediadora Lígia Formenti (esq.) Geanluca, Camile e Denizar no telão

O evento reuniu Geanluca Lorenzon, secretário de Acompanhamento Econômico, Advocacia da Concorrência e Competitividade do Ministério da Economia; Denizar Vianna, especialista independente e ex-secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde; e Camile Giaretta Sachetti, assessora da Vice-Presidência de Gestão e Desenvolvimento Institucional da Fiocruz, consultora do Instituto Butantan e ex-diretora de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde.

Lorenzon criticou o tabelamento de preços, que chamou de ficção e disse que é usado para “coordenar preços concorrencialmente”. “Sabemos que acontece por motivos políticos. Ele não só é ineficiente, como produz efeitos contrários”.

O secretário disse que o Brasil tem tudo para ser um grande polo de inovação, mas há necessidade de mudanças em regras. “Vai precisar mudar os registros, as regras de pesquisas, quebrar barreiras entre centros de pesquisa públicos e privados, investir em pesquisas”.

Denizar destacou a necessidade de modernizar a governança no setor público. “Temos um modelo de gestão pública muito engessado, legalista e, para driblar isso, temos que lançar mão de inovações, para poder oferecer tecnologias de maior custo dentro de ambiente de previsibilidade e estabilidade”, afirmou.

Para Denizar, é necessário garantir aos gestores segurança jurídica para que eles avancem nas inovações pensadas. “É necessário criar nos gestores públicos uma cultura de buscar inovar e de manter uma comunicação transparente com os órgãos de controle para que ele não se sinta ameaçado ao implementar suas ideias”.

Geanluca Lorenzon e Camile Sachetti durante o Fórum realizado pelo Sindusfarma em Brasília

Camile falou sobre a encomenda tecnológica (ETEC), modelo de contratação utilizado para a compra de P&D da vacina contra a Covid-19, fruto da parceria entre Fiocruz e AstraZeneca. “O Estado pode demandar soluções tecnológicas para as ICT ou para as empresas privadas, sendo um estímulo à inovação no setor”, afirmou. 

Levantando a bandeira do SUS, que classificou como “o arcabouço perfeito para inovação”, ela contou que a Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) vem sendo bem usada pelo Ministério da Saúde em projetos de terapias avançadas. “Entendo que essa área é algo que está na vanguarda da inovação. Esse é modelo deve mais valorizado e explorado”.

Carta aos presidenciáveis

No início do Fórum, o Sindusfarma apresentou as linhas gerais do documento com propostas para a Saúde que vai entregar aos candidatos à Presidência da República. Os principais pontos do documento foram analisados por Luciana Infante, diretora da consultoria Ernst & Young Parthenon (EY-Parthenon), que coordenou a elaboração do documento.

Leia também

Atualizada em 10/08/2022 com informações do portal JOTA

Voltar
Subir ao Topo

Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos

Todos os direitos reservados - Sindusfarma 2021